Corpo

R$49,90

Resenha

Publicado em 1984, Corpo é um dos grandes livros da última fase de Carlos Drummond de Andrade. Com mais de oitenta anos de vida e cinquenta de carreira literária (Alguma poesia, sua estreia em livro, é de 1930), o mineiro jamais se acomodaria: a força dos poemas reunidos neste volume é testemunha do inesgotável talento para ajustar, numa poesia tão comunicativa quanto poderosa, grandes temas como o amor, a morte, o meio ambiente e os afetos. “Meu corpo não é meu corpo, / é ilusão de outro ser.”, diz o poeta na primeira peça do livro, “As contradições do corpo”. Rico em significados, o título do volume lança luz sobre os vários corpos habitados por todos nós: este físico e mortal que carregamos desde o nascimento, o corpo sensual, sensorial e afetivo, e o corpo geográfico e urbano. Não à toa há desde poemas sobre relações amorosas até observações sobre o “corpo” de nossas cidades, cada vez mais degradadas. A preocupação com a devastação à brasileira (isto é, a violência contra o outro, contra a natureza e contra o patrimônio histórico e emocional das nossas cidades, em especial do Rio de Janeiro) vinha sendo umas das preocupações de Drummond desde, pelo menos, o final da década de 1960. Neste livro, o itabirano é bastante eloquente sobre o estado de coisas do Brasil. Seus versos têm o peso da denúncia, do comentário mais veemente - sem que isso signifique, claro, perder a ternura e o olhar generoso sobre a vida. Com posfácio da crítica e escritora Maria Esther Maciel, esta edição de Corpo é uma nova oportunidade para entrar em contato com a corrente sanguínea de uma poesia que, ainda hoje, irriga nossa melhor literatura.

Nome do Autor

Carlos Drummond De Andrade

Editora

Cia Das Letras

Dimensão

21x13,7x1

Peso

0.100

Categorização

Poesia
Poesia

Share: